Clipping

Veja o que saiu sobre mim na mídia

Ponte Jornalismo

Midria, poeta e slammer: ' o slam é um grito de vozes historicamente silenciadas'

19/03/21

Autora de A Menina que Nasceu sem Cor e “Preta Galáctica”, artista da zona leste de SP contou na Academia de Literatura das Ruas, série de lives da Ponte, que encontrou no slam um espaço de acolhimento e identificação.

TodaTeen

Midria, autora de “A Menina que Nasceu sem Cor”, fala sobre ações antirracistas para incorporar no cotidiano

19/03/21

Dia 21 de março é a data escolhida pela ONU enquanto Dia Internacional de Luta pela Eliminação da Discriminação Racial. A luta contra a descriminação é constante, mas, neste 21 de março, a todateen gostaria de aproveitar a data para enfatizar a reflexão sobre o tema, por meio de ações importantes na incorporação do antirracismo no cotidiano. Para isso, entrevistamos a escritora Midria (@iamidria), autora do livro “A Menina que Nasceu sem Cor”, disponível em versões infantil e adulta.

Jornal da Vida - Rede Vida de TV

Livro de poesias fala sobre racismo estrutural, colorismo e outros assuntos

05/03/21

Não me Kahlo

Midria divulga "A Menina que Nasceu sem Cor"

20/02/21

Artista já conhecida na cena dos slams e saraus, MIDRIA acaba de divulgar “A Menina que Nasceu sem Cor”. Projeto, produzido de modo independente e publicado pela Editora Grandir, reflete sobre os atravessamentos da história da autora e, também, de várias outras mulheres negras em seus diversos momentos da vida.

Cultura Preta

Poeta Midria divulga "A Menina que Nasceu sem Cor"

10/02/21

Convocando para a reflexão em torno dos papéis sociais, Midria entrega um trabalho baseado em inúmeros referenciais históricos e contemporâneos, além da sensibilidade, sabedoria ancestral e, enquanto estudante de Ciências Sociais na Universidade de São Paulo, científica. Ampliando esse lançamento, “A Menina que Nasceu sem Cor” ganha uma versão adaptada para o público infantil, ilustrada por Ana Teixeira e publicada pela Editora Jandaíra.

Portal Pop Mais - MTV

Midria divulga "A Menina que Nasceu sem cor"

09/02/21

Pautando temas como o colorismo, gênero, direito à cidade, classe, autoestima, racismo estrutural e decolonialidade, livro chega em duas versões: uma composta por 11 poesias, direcionadas para o público adulto, e outra para as crianças, com ilustrações de Ana Teixeira

Lugares pelo Mundo

Amanda Gorman: Inspiração e Representatividade

05/02/21

Amanda se tornou não só uma figura de esperança para a democracia americana, mas uma também figura de representatividade para aquelas que são como ela. É o caso de Midria, uma jovem poeta e escritora negra da zona leste de São Paulo, que assim como a americana, também é adepta dos slams,  que são como batalhas de poesia falada.

As semelhanças não param por aí, Midria estuda ciências sociais na USP, a maior universidade do Brasil e da América Latina e em seu currículo já possui dois livros publicados: “A menina que nasceu sem cor” e uma versão infantil do mesmo livro. Para a poeta brasileira, que também faz pesquisas na área da sociologia sobre os slams, a chegada de Amanda até a cerimônia de posse mostra a força do movimento de poesia falada, que tem como objetivo dar voz para aqueles que não são escutados.

Margens

Especial | listamos mais de 100 escritoras pretas e brasileiras para você conhecer

20/06/20

Pensando nas desculpas frequentemente usadas para justificar a ausência de mulheres pretas no mercado editorial, seja dentro de editoras, nas curadorias, ocupando lugares em eventos e festivais literários, etc, resolvemos criar essa lista com mais de 100 autoras pretas e brasileiras para você conhecer.

A curadoria foi feita pela jornalista e editora do Margens, Jéssica Balbino e pela bibliotecária e empresária da Livraria Africanidades, Ketty Valencio, além de ter contado com a colaboração da poeta Mel Duarte.

Estudantes de Jornalismo Cásper Líbero

Mulheres no slam: protestos que ultrapassam os 180 segundos

25/11/19

No dia 5 de outubro, onze mulheres disputaram entre si o troféu do Slam das Minas de SP e uma vaga na competição de poesia nacional. Disputa essa em que as competidoras têm três minutos e três etapas para externar sentimentos, lutas e sonhos.

Estadão

Midria e Anna Maria Maiolino em lançamento da Coletânea AI-5 50 anos: Ainda não terminou de acabar

26/08/19

Midria faz intenevenção na abertura do lançamento do livro AI-5 50 anos: Ainda não Terminou de Acabar no Instituo Tomie Ohtake.

R7.com

Midria, a jovem que levou a cultura do Slam para dentro da USP

24/08/19

Uma das criadoras do USPerifa, estudante das Ciências Sociais leva a disputa da poesia falada para outros palcos, que vão além da periferia

Movimento de Inovação na Educação

Por meio do slam, jovens ocupam a USP com cultura da periferia

01/03/18

Negra, nascida na periferia e estudante de Ciências Sociais na universidade, Midria da Silva Pereira, de 20 anos, pensava então em como poderia recepcionar esses jovens recém-chegados. Ao lado dos colegas de graduação, Ian Douglas e Ygor Peniche, teve a ideia de organizar um slam: competição de poesia falada na qual os poetas recitam versos de sua autoria que são, posteriormente, avaliados por jurados.